Juventudes e questão socioambiental é tema de encontro no Centro Magis Inaciano da Juventude

08:00 casainacianadajuventude 0 Comments



"Foi um início importante para o diálogo entre as juventudes, quebrando paradigmas e barreiras de uma sociedade unilateral e excludente. Somos todos parentes!"
Benício, da Comunidade Indígena Pitaguary

                       No dia 8 de julho de 2017 o Centro Magis Inaciano da Juventude (CIJ) realizou uma edição do “Diálogos”, atividade que visa debater temas imprescindíveis para a juventude, a partir de uma metodologia que possibilite a participação e a construção coletiva de saberes.
            Nessa edição, o encontro se somou às atividades do “mês socioambiental” e discutiu o olhar e a vivência das juventudes a partir dos seus territórios. Participaram do encontro representantes de diferentes grupos, coletivos e movimentos juvenis, como a Juventude Indígena da Comunidade Pitaguary; a Juventude da Zona Costeira Coletivo Sabiaguaba Lixo Zero e Casa Costeira; a Juventude Urbana, através do Coletivo Plante um Ipê; a Juventude Rural, através do Projeto Juventudes no Campo e Transformações Territoriais; e  o Núcleo Tramas, da Universidade Federal do Ceará (UFC).
            Os (as) jovens da Zona Costeira partiharam sobre a importância da valorização e do Cocó e ressaltaram os problemas e injustiças socioambientais advindos da atual proposta do Governo do Estado do Ceará de regulamentação do Parque e remoção das comunidades.
            Representantes da juventude que vivem no meio rural falaram do preconceito que sofrem e partilharam suas lutas, sobretudo contra a mineração. Um dos jovens ressaltou, ainda, a “importância de projetos como o Tramas e o MAM (Movimento pela Soberania Popular na Mineração), por socializrem e construírem conhecimento junto à comunidade, e, assim, possibilitarem uma mudança de olhar e colaborar na formação dos jovens, animando o engajamento deles e os tornando multiplicadores”.
            O encontro contou ainda com um momento de oração, facilitado por jovens da Comunidade Indígena Pitaguary, que também partilharam a história de sua comunidade e a construção da sua identidade. Os jovens chamaram atenção ainda para a reflexão acerca da nossa relação com a natureza e nos convidaram a questinonar “o porquê de hoje sermos tão separados dela, se antes éramos a ela integrados”.
            Por fim, representantes da juventude que vivem no meio urbano apresentaram o documentário "Na Beira da lagoa",  que trata da mobilização de jovens para conseguir a limpeza de uma lagoa e o envolvimento da comunidade nesse processo. Os (as) jovens partilharem ainda a parceria e o apoio da Pastoral Operária e falaram do trabalho que desenvolvem com o cultivo de mudas e a promoção de plantações de árvores em espaços públicos da periferia.
           
            Para Aurineide, do Projeto Juventudes no Campo e Transformações Territoriais/ Núcleo Trama UFC, o encontro "foi muito produtivo e o melhor foi conhecer um pouquinho da realidade de cada um que compartilhou conosco”. 
            A atividade, que foi encerrada com um momento de pintura corporal com Benício Pitaguary, compôs a programação do Mês Socioambiental no CIJ, pensado para debater as questões sociambientais, difundir e visibilisar as lutas e práticas que permeiam essa questão e possbilitar uma formação continuada aos (às) jovens acerca do assunto.
            Segundo Pool, do Coletivo Plante um Ipê, "o momento foi muito rico em vários aspectos, o primeiro foi o de proporcionar a criação de vínculo, o segundo foi a possibilidade de contruírmos uma agenda comum entre alguns territórios e o terceiro foi a acolhida do espaço, onde nos sentimos acolhidos e apoiados... foi muito gratificante sentir os laços de solidariedade. Sem dúvida, encontros assim animam e fortalecem as nossas lutas."
         

           

           










“A.M.D.G"

0 comentários: